quinta-feira, 26 de novembro de 2009

"Carta-crônica" que recebi do meu grande amigo Ciro Pessoa

(Esta carta foi publicada em abril de 2007, na coluna¨"Carta para Ela" que o poeta e compositor Ciro Pessoa escrevia para a Revista Criativa )

Gracita, minha linda:

Ontem à noite, finalmente!, vi o filme “Vinícius” na televisão . Você se lembra o quanto você insistiu comigo para que eu o assistisse quando ele ainda estava em cartaz nas salas de cinema ? Agora que eu o ví, fico imaginando porque você queria tanto que eu o visse. Onde será que a sua mente, que me conhece tão assombrosamente de perto ( entre você e eu lá se vão mais de vinte anos de cumplicidade, arte, amor e amizade) , me viu na vida e na poesia de Vinícius de Moraes?

Pois bem, eu tenho cá minhas suspeitas.

O que mais me tocou no filme foi um dos (sempre primorosos) depoimentos de Chico Buarque. Precisamente aquele em que ele tenta imaginar como Vinícius estaria hoje caso ainda estivesse vivo. A certa altura ele vaticina “ eu não consigo imaginar um sujeito como o Vinícius vivendo nos dias de hoje. Primeiro porque não há mais espaço para a generosidade...”. É claro que esta profecia veio antecedida de uma série de revelações do próprio Chico sobre o comportamento absolutamente desapegado de Vinícius “ enfiava sua dinheirama no bolso e ia pagando tudo para todos...”. Um cara absolutamente coerente com sua vida de poeta cósmico. E o Chico tem razão : não existe nada mais fora de moda do que a generosidade. O generoso neste começo de século é o chamado otário.

Como eu gostei de saber que ele agia desta forma, Gracita! . Que misteriosa relação há entre o seu profundo desapego e sua elegante e libertária poesia endereçada a todos os seres humanos! E como me lembrei de você, a mulher sempre atenta ao que os outros estão precisando e a atriz, a grande atriz que tantas vezes me fez chorar de rir com seu generoso e genial humor! E que tantas vezes me fez simplesmente chorar com as histórias de sua vida real. (Longa vida à sua Terça Insana!)

No mais, a vida de Vinícius é, em si, uma grande poesia, sem dúvida. Todos sabemos o quanto ele era apaixonado pelo amor e pelas suas mulheres (foram inúmeras!). Mas o que mais me surpreendeu foi o quanto ele cuidava de suas amizades e o quanto elas eram importantes para ele. Aí pensei em nós dois de novo, Gracita. Você se lembra de que temos um pacto de envelhecermos juntos, morando, quem sabe, na mesma casa? De minha parte, o pacto está fechado, inviolável, consagrado.

Com a velhice, assim como Vinícius, poderemos dar excelentes estridentes risadas. É de Chico, de novo, a observação : “ sempre que me lembro de Vinícius, lembro-me dele dando risada...”. E mais : o quanto ele rejuvenesce em sua trajetória de diplomata a consagrado poeta da bossa-nova e depois do afro samba. Nisto também nos vejo, minha linda Gracita.

Quantos aos milhares de versos que pontuam o filme, um em especial me diz respeito : “Eu não quero ser feliz / eu quero viver” . Achei isto assombrosamente belo. Foi o Tom Jobim quem pescou esta pérola de sua obra. Eu também, sabia Gracita? Eu quero a vida com tudo o que ela tem a me oferecer : pura dor, céu azul, tempestade, super alegria, decepção, viagem a Honulú e musse de chocolate. Desconfio daqueles que buscam obcecadamente a felicidade e passam ao largo dos outros sentimentos.

Por fim, o filme me trouxe o valor do poeta e da poesia nestes tempos de Big Brothers e cilicones. Porque de fato a vida de um poeta é sempre inusitada, assim como a de um jardineiro, de uma borboleta ou de uma nuvem. Todas tão intensas. A sua vida, Gracita minha linda, está cheia de lances poéticos no melhor estilo Vinícius. Que você, com sensibilidade, maestria e muito talento, consegue transformar em brilhante humor.

Te adoro, minha linda amiga!

6 comentários:

  1. AI QUE DELÍCIA DE CARTA, NESSA TARDE QUENTE E GENEROSA COMO O CORAÇÃO DO POETA.
    AMO VOCÊS, GRACITA E CIRO. MUITOS BEIJOS COM SAUDADE. LEDUSHA

    ResponderExcluir
  2. Este Ciro é Pessoa! E você Pessoíssima Delícia. Bj Tj

    ResponderExcluir
  3. kkkkkk Ciro e Grace numa mesma casa seria a Casa do Saber 2 rsrsrsr

    ResponderExcluir
  4. VI NESSA SEXTA "VINÍCIUS" E ATÉ AGORA PAIRA A AURA AMOROSA DO POETA POR AQUI. DELÍCIA! A CARTA DO RUBEM BRAGA QUE ABRE E FECHA O FILME É DE MATAR, DE LINDA. ME LIGA. BEIJINHOS,
    LEDUSHA

    ResponderExcluir
  5. te adoro, minha linda!

    ResponderExcluir
  6. Nossa que sensibilidade de palavras... Esta carta me fez lembrar alguns camaradas mineiros que guardo no coração e em tempos de msn, e-mail (facilidades da nossa geração) escreviam cartas, poemas e eu recebia esse presente dando um abraço no carteiro. "Você tem os amigos que merece" logo Grace senti a arte com a sensibilidade inumana. Adorei teu espaço, aprecio teu trabalho (comédia inteligente, ácida, critica e profunda).

    ResponderExcluir